2015 is here. So what? / 2015 chegou. E então?

fnunes's picture

Will the world change in 2015? I mean really change? (original version here: http://informix-technology.blogspot.com/2015/01/2015-is-here-so-what-2015-chegou-e-entao.html )

English version
Again a long interval without posts. I clearly missed my 2014 target, but that's usual. However 2014 ranks as the 3rd year with more articles on the blog. Not bad. I usually start the year as many people with several "new year resolutions" that most of the times I don't accomplish. Maybe that's because I loose focus, or just maybe because I need to re-act to external changes and challenges. Those usually include plans for the blog, but because I'm tired of missing those targets I decided to start working and nothing is better than a subject that relates to 2015.
On December 18, 2014, two distinguish Gartner analysts, Donald Feinberg (@brazingo) and Merv Adrian (@merv) signed an interesting article on Gartner Blog's site entitled "DBMS Legacies are Very Sticky". In that article they "destroy" a "a financial analyst report" that stated that during 2015 the industry would start retiring Sybase and Informix systems. "Destroy" is my own interpretation. Their word to describe it was, and I quote: poppycock. Not being an English native I search Google for the word and the answer was:

noun informal
    nonsense.
    "he said I was talking poppycock"
    synonyms:    nonsense, rubbish, garbage, claptrap, balderdash, blather, blether, moonshine

They go on through a very detailed list of arguments relative to Sybase and then the same for Informix. Among this arguments I'd like to highlight the following:

  • "Over a decade later, it remains an integral part of an IBM information management portfolio that includes three primary DBMSs - DB2, IMS and Informix, and newer entrants such as Cloudant. IBM has continued to release new enhanced versions of Informix since the acquisition"
  • "Finally, the number of IBM Informix customers has continued to increase and its user base is very loyal, with one the largest and most active User Groups"
  • And then they position Informix as the IBM choice for:
    • "High-speed processing in verticals like retail (point of sale systems) and manufacturing"
    • "Time-series DBMS – one of its primary features, and a 'timely' one
    • "The Internet of Things, where its high-speed ingest capabilities and small footprint are well-suited"

 What bothers me the most is not that and unknown source (I tried to find out who were the authors of the referenced study without success) makes some false claims. What really bother me is the impact of those claims though the industry. Up to the point that Gartner feels the need to contradict them after being questioned about the conclusions. Are we given these studies the real value they have?
We live in a world full of information, but most of us don't care to consider the value of the information we get, or in other words how valid that is. That's something I'd really like to see changing in 2015...

Versão Portuguesa
De novo um grande intervalo sem artigos. Falhei claramente o objectivo para 2014, mas isso já vem sendo um hábito. No entanto 2014 fica em 3º lugar dos anos com mais artigos no blog. Não é mau. Normalmente começo os anos com várias resoluções de ano novo, que na maioria das vezes não alcanço. Pode ser por falta de foco nos objectivos ou apenas porque tenho de reagir a mudanças e desafios externos. Nessas resoluções incluo habitualmente objectivos para o blog, mas como estou cansado de os falhar decidi meter mãos à obra e nada melhor que começar com algo que se refere a 2015.
Em 18 de Dezembro de 2014, dois distintos analistas da Gartner, Donald Feinberg (@brazingo) e Merv Adrian (@merv) assinaram um artigo interessante no site de blogs da Gartner intitulado "DBMS Legacies are Very Sticky". Nesse artigo, os autores "destroem" um "relatório de analistas financeiros" que afirma que durante 2015 o sector das TI iria começar a reformar sistemas Sybase e Informix. "Destruir" é a minha própria interpretação. A palavra que usaram para descrever o referido estudo foi, e cito: "poppycok". Não sendo um nativo do Inglês procurei no Google o significado da palavra e o resultado foi:

noun informal
    nonsense.
    "he said I was talking poppycock"
    synonyms:    nonsense, rubbish, garbage, claptrap, balderdash, blather, blether, moonshine

Se me permitem a tradução, é um substantivo, informal com sinónimos como "sem sentido", "lixo" e outras palavras cuja tradução seria mais vaga, mas penso que já perceberam a ideia.
Eles escrevem de uma forma muito detalhada sobre vários argumentos relativos ao Sybase e depois fazem o mesmo para o Informix. De entre os seus argumentos para o Informix gostaria de destacar os seguintes (traduzido, mas podem consultar a versão original no artigo da Gartner ou na versão Inglesa deste mesmo artigo):

  • "Mais de uma década depois, (o Informix) permanece uma parte integrante do portfolio da área de gestão da informação da IBM que incluí 3 DBMS principais - DB2, IMS e Informix, e novas adições como o Cloudant. A IBM continuou a disponibilizar novas versões melhoradas do Informix desde a aquisição"
  • "Finalmente, O número de clientes IBM Informix tem continuado a aumentar e a sua base de utilizadores é muito leal, com um dos maiores e mais activos grupos de utilizadores"
  • E depois posicionam o Informix como a escolha da IBM para:
    • "Processamento de alta velocidade para mercados verticais como o retalhe (sistemas PoS) e manufactura"
    • "Time-series DBMS – Uma das suas principais características"
    • "A Internet das Coisas, onde a sua capacidade de 'ingestão' a alta velocidade e o pequeno 'foot-print' se adaptam bem"

O que me incomoda mais não é que uma fonte desconhecida (tentei encontrar os autores do estudo, mas sem sucesso) falsa afirmações falsas. O que realmente me incomoda é o impacto dessas afirmações no sector das TI. Chega ao ponto de a própria Gartner sentir a necessidade de contradizer o tal estudo depois de ser questionada sobre as suas conclusões. Estaremos a dar a estes estudos o seu real valor?
Vivemos num mundo cheio de informação, mas a maioria parece não se preocupar em avaliar o valor dessa mesma informação, ou o grau de confiança que nos merece. Isso é algo que gostaria de ver alterado em 2015...